domingo, 2 de Outubro de 2011

Tudo o que voce deve saber sobre as UNHAS! Globo Reporter

Saiba o que fazer em caso de hematoma e como cortar a unha do bebê

A dermatologista Márcia Purceli e a pediatra Ana Escobar explicaram porque, na terceira idade, as unhas ficam grossas, quais cuidados devemos ter com uma unha solta e o que um trauma (como uma batida) pode provocar.

A unha, ou lâmina ungueal, é produzida na parte viva, chamada matriz, e tem microtrilhos que norteiam seu crescimento. Eles ficam no leito ungueal, onde a unha repousa. Quando ocorre um trauma na raiz, pode haver uma fibrose, cicatriz que impede o crescimento correto dessa lâmina. É aí que acontecem ondulações ou outras deformidades. Se elas não saírem em um ano, provavelmente serão permanentes.







Quando a unha sofre um trauma, a parte que mais dói é a matriz. Mas não são todos os traumas que formam um hematoma. Muitas vezes, a pancada torna a unha branca e a descola.

Hematoma subungueal é quando há acúmulo de sangue embaixo da lâmina ungueal após um trauma. É diferente de uma mancha preta, porque ela não compromete a unha inteira. O hematoma normalmente é absorvido pelo organismo e vai subindo junto com o crescimento, até desaparecer.

Melanoníquia estriada são manchas acastanhadas que aparecem em mais de uma unha. Normalmente, é um problema genético, benigno, e mais comum em pessoas negras.




Onicogrifose é quando a unha fica muito grossa. O problema pode ser causado por micose, mas também é comum e natural surgir em idosos, porque durante o envelhecimento a matriz ungueal deixa de ser oxigenada como deveria, ou seja, o oxigênio não é suficiente para manter a circulação vascular correta, e a unha chega a ficar torta.

As unhas dos pés e das mãos são iguais. Muitos acham que as dos pés são mais grossas, mas é apenas impressão. Quem tem a unha dos pés soltas ou tortas por causa de um trauma deve usar antissépticos nos sapatos para evitar fungos. É importante também deixar os pés no sol e lavar bem as meias, que devem ser de algodão.

No caso dos bebês, unhas encravadas são muito comuns e geralmente de origem genética. É recomendável fazer uma compressa com água morna para provocar a vasodilatação. Se estiver inflamado, com pus, procure um médico.

Grávidas não podem fazer nenhum tratamento de micose via oral. Somente são permitidos tratamentos tópicos (na pele), sob recomendação de um profissional.
Unhas soltas jamais devem ser arrancadas, porque deixarão exposto o leito ungueal, que tem uma pele muito fina e sensível. A unha solta serve como um curativo natural. O ideal é esperar que uma nova cresça para retirá-la.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) permite que bases fortalecedoras tenham uma quantidade muito pequena de formol em sua composição. Para secar as unhas, tanto faz usar óleo ou spray. A única diferença é que o spray pode causar alergia na pele, já que é impossível passá-lo somente sobre as unhas.

Como tirar mancha de esmalte da parede
Para remover manchas de esmalte da parede, a consultora Nalva Alves ensina a umedecer um algodão com acetona ou removedor de esmaltes e passar somente no local da mancha, com o tecido ainda seco. Com um papel-toalha, retire o excesso do produto, do lado oposto ao da mancha.

Tecidos coloridos soltam tinta e podem ficar esbranquiçados. Já em tecidos brancos, o resultado é melhor, e a mancha pode desaparecer por completo. Esse processo não deve ser feito em tecidos sintéticos, porque pode queimá-los. A consultora também diz que removedores de tinta conseguem tirar o esmalte da parede.

Passar esmalte direto, usar acetona e roer são hábitos ruins para unhas
Roer a unha, passar esmalte sem intervalos e usar acetona são três hábitos ruins para a saúde dessa camada de queratina que envolve os dedos das mãos e dos pés.

A função das unhas na espécie humana é facilitar a manipulação de objetos. Em outros animais, elas têm a forma de garras e servem para cavar ou segurar árvores e alimentos. Já os que apresentam cascos absorvem melhor o impacto das patas e de todo o peso corporal.

No Bem Estar desta quinta-feira (8), a dermatologista Márcia Purceli e a pediatra Ana Escobar falaram sobre como a cor e aparência das unhas podem evidenciar o estado de saúde de uma pessoa.

Para deixar de roê-las, a pediatra disse que primeiro é preciso querer, e depois ela sugeriu passar um uma substância chamada aloína (com 3% de concentração), que tem gosto amargo. Há esmaltes que já contêm esse composto, mas também é possível solicitar o produto em uma farmácia de manipulação.

As unhas das mãos crescem cerca de 0,1 milímetro por dia, ou 3 mm por mês. Já as dos pés nascem mais lentamente – podem levar de 6 a 8 meses para se renovarem totalmente. Entre os homens, as unhas aumentam mais rápido que as das mulheres, principalmente durante o dia.

As unhas das crianças crescem bastante. Já nos idosos, demoram mais. E as da mão direita se desenvolvem mais rapidamente que as da esquerda. Na hora de cortar, faça um formato quadrado, que evita encravamentos, e evite tirar a cutícula, pois ela funciona como uma vedação. Para aparar as unhas do bebê, espere-o dormir ou tome muito cuidado se ele estiver acordado. A limpeza pode ser feita durante o banho.

Alergia a esmalte se manifesta no pescoço e nos olhos, explica médica

Roer unhas pode ser normal em uma situação de estresse ou ansiedade, mas o vício deve ser tratado caso se torne uma compulsão e atrapalhe a vida social da pessoa, que às vezes tem dificuldade para tirar os dedos da boca inclusive em reuniões, eventos ou conversas importantes. Se a unha for arrancada, não deve ser engolida, pois pode machucar o esôfago.

Na água, a unha pode ficar até 30% encharcada, o que faz com que amoleça e até se quebre. Por isso, quem tem a unha muito grossa ou ressecada – em geral, os mais idosos – deve cortá-la sempre após o banho, quando essa tarefa se torna mais fácil.

Unhas grandes demais, que algumas mulheres gostam, podem eventualmente causar algum arranhão ou lesão na pele e nos olhos, por isso é preciso tomar cuidado. Depois dos 65 anos, essa camada passa a crescer de forma mais lenta, por causa da desaceleração do metabolismo. Óleos e cremes de hidratação são recomendados em todas as faixas etárias.

Quem é professor e trabalha com giz pode ter unhas mais ressecadas. A dica é lavar bem as mãos com água e depois usar um hidratante.

Normalmente, uma unha da mão leva três meses para crescer totalmente, em caso de queda. Pessoas com unhas muito fracas e quebradiças podem ter deficiências nutricionais, como de ferro. Por isso, Márcia sugere fazer um exame de dosagem de ferritina, por exemplo.

Tudo o que for fixado sobre as unhas pode danificá-las, disse a dermatologista. Isso serve para os modelos de gel e porcelana, que só devem ser usados eventualmente.

Se alguma batida ou trauma comprometer partes da unha responsáveis pelo crescimento, pode haver deformações permanentes nessa nova camada. Em casos mais simples, o problema é resolvido com o tempo.

Uma unha só se descola completamente do dedo quando já há outra nascendo por baixo, explicou a médica. Portanto, não se deve arrancá-la, já que ela funciona como um curativo natural em uma região altamente sensível. Quando isso ocorrer, use um curativo por cima.

Pessoas que costumam fazer corridas devem prestar atenção nas unhas, que podem ficar escuras com o impacto, mas vão clareando aos poucos. Já hematomas constantes podem indicar micoses ou tumores. O ideal, nessas situações, é ouvir a opinião de um especialista.

A micose que se instala nas unhas, em geral, já estava nos pés. O fungo responsável por esse problema gosta de ambientes fechados, quentes e úmidos. O tratamento pode ser feito com esmaltes ou o uso de remédios prescritos por um profissional. Deixar o pé ventilar, usar apenas meias de algodão e não andar descalço em carpetes, piscinas e academias são recomendações importantes dadas pela dermatologista.

Para limpar as unhas das crianças, o ideal é aproveitar o banho e usar uma escovinha de dentes. Na hora de cortar, opte por uma tesourinha sem ponta.

Esmaltes
Na sequência, Márcia falou sobre o uso de formol em bases (são permitidos até 5% na composição). Esmaltes com biotina, cálcio ou casco de cavalo também podem ajudar a endurecer as unhas, afirmou a dermatologista.

Algumas pessoas sentem dor nas unhas após retirar o esmalte, porque a lâmina ungueal delas é muito fina e fica exposta. Quem é alérgico deve comprar produtos específicos, e a alergia não se manifesta nas unhas, mas geralmente no pescoço e nos olhos, depois de encostar a mão.

Passar uma base por baixo do esmalte escuro evita que as unhas fiquem amareladas. Mas usar cores vermelhas não acelera o crescimento, destacou a médica.



Apesar da diversidade de cores que oferecem e de melhorarem a aparência das mulheres, os esmaltes precisam dar uma trégua pelo menos uma vez por semana, para que a região possa “respirar” e não fique tão ressecada. O inverno é um bom momento para fazer isso nos pés, já que as pessoas usam mais botas e sapatos fechados.

Segundo as especialistas, cores escuras não fortalecem as unhas, isso é mito. O que pode realmente deixá-las mais resistentes são vitaminas do complexo B, zinco e magnésio. Castanhas e grãos integrais também são recomendados.

Já uma alergia a esmaltes pode tornar os dedos amarelados. No frio, as unhas e os dedos tendem a ficar mais arroxeados por causa dos vasos sanguíneos que se fecham para reter calor.

Segundo a dermatologista, não é bom usar esmalte em crianças com menos de 12 anos de idade. Unhas postiças e acetona também são prejudiciais: a primeira porque abafa a unha verdadeira e a segunda porque retira a queratina e causa ressecamento.

Cortar unhas retas e não tirar cutícula evitam problemas em pés e mãos
Cuidar dos pés é importante não só para mantê-los com uma boa aparência, mas também para deixá-los saudáveis – livres de calos, unhas encravadas e infecções. Cortar as unhas da forma reta, sem aparar os cantos, ajuda a evitar problemas e sofrimentos futuros.

Para prevenir calos, é indicado pisar corretamente. Portanto, escolher um sapato adequado, do tamanho certo, é fundamental. Com o objetivo de aprofundar esses assuntos, o Bem Estar desta terça-feira (5) recebeu a dermatologista Márcia Purceli e a podóloga Roseli Silva Bueno, que falaram sobre prevenção e tratamento. Segundo Márcia, alicates, cortadores de unhas e outros utensílios devem ser individuais para prevenir contaminações.

A pele que se acumula nas unhas e vira a cutícula é feita de queratina, uma proteína muito resistente que funciona como uma barreira de proteção em todo o corpo. As células que produzem queratina ficam na camada córnea, a mais superficial da pele e a que mais descama.

Para renovar as unhas das mãos, levam-se até 3 meses, contra 8 meses do dedão (a pele é trocada por inteiro em 30 dias e os cabelos vivem até 5 anos). O ideal é não retirar a cutícula, apenas empurrá-la, já que a região fica muito próxima da parte viva da unha, onde uma inflamação pode ocorrer facilmente. No salão de beleza, as manicures e pedicures devem esterilizar os equipamentos em autoclave.

A cutícula é uma proteção e uma vedação da pele, por isso que, quanto mais for removida, mais grossa tende a ficar. Isso porque o organismo busca se proteger de eventuais ameaças.

De acordo com a dermatologista, as unhas das mãos crescem mais que as dos pés porque não há barreiras que as impeçam de nascer – como os sapatos fazem com os pés. E as unhas também precisam respirar: a recomendação é de que fiquem pelo menos um dia na semana livres de esmaltes ou bases.

Quem tem familiares com histórico de unha encravada deve ficar atento, pois o problema costuma ser hereditário e aparecer logo nos primeiros anos de vida. O dedo que mais sofre é o dedão, que geralmente é pressionado pelo dedo do lado. Nesse pequeno espaço, a queratina acaba crescendo embaixo da unha. Mas se desesperar não adianta, e cortar essa unha em casa pode ser perigoso e desencadear uma infecção.

Já os calos são uma manifestação do organismo de que existem atrito e pressão no local, o que pode ser causado por um calçado apertado ou um bico fino. Várias camadas de queratina se acumulam na região, como forma de proteção. Mas, quando endurecem, viram o calo – que não deve ser raspado nem lixado sem orientação profissional.

Em algumas pessoas mais sensíveis, não adianta trocar de sapato nem usar um número maior: é preciso usar um modelo ortopédico, que é mais flexível e provoca menos atrito com o pé. Casos mais graves demandam uma ida mensal ao podólogo.

Segundo Roseli, lavar bem os pés – no meio dos dedos e ao redor das unhas – é extremamente importante para evitar problemas. Pessoas obesas, idosas, diabéticas e com dificuldade de locomoção podem usar uma banqueta de plástico no banheiro para fazer essa higiene corretamente. As unhas também podem ser limpas com uma escova de dentes macia. Depois do banho, deve-se hidratar os pés com creme.

No estúdio, a dermatologista explicou, ainda, que esporão é uma proliferação óssea e joanete é um problema na articulação do dedão, ou seja, não tem a ver com a pele ou com calo.

Fonte: G1

Sem comentários: