sexta-feira, 6 de Janeiro de 2012

CÂNCER / CANCRO DE TIREÓIDE


O que é?
A tireóide é uma glândula situada na parte anterior do pescoço em frente a traquéia. É responsável por produzir os hormônios T3 , T4 (também chamado tiroxina ou hormônio tireóideo) e a calcitonina. Esses hormônios são responsáveis por uma série de ações fisiológicas do organismo, como controlar o metabolismo, a temperatura do corpo, o sistema cardiovascular, o crescimento e o desenvolvimento dos ossos, dentre outras.

O câncer da tireóide se inicia quando células da tireóide se modificam e sofrem um crescimento e proliferação descontrolado, formando um tumor. Existem dois grandes grupos de tumores da tireóide: os benignos (não cancerosos) e malignos (cancerosos). Os tumores de tireóide podem também ser chamados de nódulos, e 90% dos nódulos de tireóide são benignos.ou deles
Os tipos mais comuns de câncer de tireóide são o papilar e o folicular, que frequentemente são curáveis. Outros tipos menos comuns incluem o tipo medular e o anaplásico.

Quais os fatores de risco para o câncer de tireóide?
Os estudos têm demonstrado que os principais fatores de risco para desenvolver câncer de tireóide são os seguintes:
  • Radiação: pessoas expostas a altos níveis de radiação têm maior probabilidade de desenvolver câncer de tireóide papilar ou folicular.
  • História pessoal: pessoas com bócio e nódulos benignos de tireóide têm maior risco de desenvolver câncer de tireóide.
  • História familiar de câncer de tireóide: o carcinoma medular de tireóide muitas vezes é familiar.
  • História familiar de bócio: algumas pessoas com bócio ou história familiar de bócio com múltiplos nódulos benignos de tireóide têm maior risco para desenvolver carcinoma papilar de tireóide.
  • Gênero: mulheres têm 3 vezes mais chance de desenvolver câncer de tireóide do que homens.
  • Idade: a grande maioria dos cânceres de tireóide se desenvolve após os 45 anos de idade.

Ter um ou mais fatores de risco não significa que a pessoa vai ter um câncer de tireóide. A maioria das pessoas que tem fatores de risco nunca desenvolverá um câncer.

Quais são os sintomas?
Os sintomas do câncer de tireóide aparecem com o crescimento do tumor e são os seguintes:
  • aumento do volume da parte anterior do pescoço;
  • gânglios aumentados no pescoço;
  • mudanças na voz
  • problemas para engolir ou respirar;
  • dor na garganta ou no pescoço que não passam.

Apesar de estes serem os sintomas mais comuns em quem tem este câncer, frequentemente estes sintomas não são devidos ao câncer. Vários problemas de saúde benignos podem causar estes sintomas.

Como se faz o diagnóstico?
O diagnóstico se faz com a ajuda das seguintes abordagens médicas:
  • história e exame físico realizado por um médico;
  • exames laboratoriais;
  • ultrasonografia (ecografia) da região do pescoço;
  • biópsia dos nódulos suspeitos.

O que é e para que serve o estadiamento?
O estadiamento é a forma de descrever o câncer quanto ao seu tamanho, localização, se o câncer se espalhou para outra região, para onde se espalhou e se está afetando outras funções do organismo. O câncer de tireóide tem estágios de I a IV.

Tratamento
O câncer de tireóide possui várias opções de tratamento em que a escolha depende do tipo de câncer (papilar, folicular, medular ou anaplásico), do tamanho do nódulo, da idade do paciente, se o câncer está restrito à tireóide ou já se espalhou para outro órgão e do estado geral de saúde do paciente.

As opções de tratamento são as seguintes:
  • cirurgia;
  • terapia com iodo radioativo;
  • radioterapia;
  • quimioterapia.

A cirurgia é o principal tratamento para o câncer de tireóide e a quantidade da glândula a ser removida depende do tamanho e do tipo do tumor assim como da idade do paciente. As pessoas tratadas com cirurgia normalmente necessitam de tratamento hormonal para repor o hormônio da tireóide e diminuir o crescimento de qualquer célula cancerosa remanescente.

A terapia com iodo radioativo pode ser usada para eliminar um câncer não removido pela cirurgia e toda célula cancerosa que tenha se espalhado para fora da tireóide.

A radioterapia pode ser usada quando um tumor avançado não responde à terapia com iodo radioativo e comumente é aplicada após a cirurgia.

A quimioterapia é usada mais raramente e em pacientes em que as outras opções não foram suficientes para controlar a doença.

Qual é o prognóstico?
A maioria dos pacientes com câncer de tireóide papilar não morrem da doença. O câncer folicular ocorre tipicamente em pacientes mais velhos e é mais comum apresentar um curso clínico mais agressivo, metástases à distância e maior mortalidade que o tipo papilar.

Uma série de fatores estão associados com um maior risco do tumor reaparecer e com a mortalidade decorrente do câncer. Os fatores mais importantes são: idade no momento do diagnóstico; tamanho do tumor primário; invasão de tecidos em volta da glândula e metástases à distância. Por outro lado, mulheres podem ter um prognóstico melhor que homens.

A maioria dos reaparecimentos (recorrência) dos cânceres de tireóide diferenciados ocorre dentro dos primeiros cinco anos após o início do tratamento. Porém, recorrências podem ocorrer muitos anos depois, particularmente nos de tipo papilar.
Fonte: ABC Saude

 Tipos de tratamento alternativo
Os tratamentos alternativos para o cancro da tiróide são muitas vezes utilizados em conjunto com tratamentos médicos convencionais e são frequentemente referidos como tratamentos médicos alternativos. A procura dos tratamento médico alternativos para ajudar a diminuir os efeitos colaterais de tratamentos médicos convencionais, como a quimioterapia, a radioterapia, etc... alem é lógico da ajuda emocional e  eventualmente espiritualmente.
São cinco os tipos de tratamentos alternativos: biológicas, medicina energética, práticas manipuladoras, mente-corpo e métodos todo médicos. Métodos biológicos incluem o consumo de vitaminas especiais e ervas ou uma dieta especial. Práticas médicas de energia incluem técnicas de restauração de energia corporais, como tai-chi. Práticas manipulativas incluem massagens de profundo-tecido e passando por cuidados quiropráticos. Tratamentos de corpo-mente incluem as práticas de ioga, meditação e hipnoterapia. Um método todo médico é medicina chinesa, fitoterapias e acupuntura. 


Alimentação saudável é aliada na redução dos sintomas do hipotireoidismo
1) Pacientes com hipotireoidismo podem se beneficiar de uma dieta adequada?
Pacientes com hipotireoidismo podem se beneficiar de uma dieta mais específica para a redução de sintomas comuns à doença como inchaço, fadiga, enfraquecimento de unhas e cabelos, ao mesmo tempo em que ajuda na redução ou manutenção do peso. Muitas vezes associa-se o hipotireoidismo ao ganho de peso, mas na realidade a influência é baixa. A pessoa engorda porque o corpo funciona mais lentamente e gasta menos energia

2) Que alimentos podem contribuir para uma melhor qualidade de vida para os pacientes de hipotireoidismo?
Existem alimentos e nutrientes que podem contribuir para uma melhor qualidade de vida para os pacientes de hipotireoidismo e também alguns que devem ser evitados. O consumo excessivo de sal, por exemplo, pode ser nocivo porque o sal de cozinha é iodado por força de lei com o intuito de prevenir o déficit de iodo. Mas seu excesso pode levar a danos na tireoide e favorecer o aparecimento de doenças autoimunes como o hipotireoidismo por doença de Hashimoto.

Uma dieta saudável para pacientes com hipotireoidismo inclui grãos integrais, alimentos naturais, abundância de frutas e vegetais e uma boa oferta de frutos do mar e proteínas magras. Sabemos que a obesidade aumenta o risco de câncer da tireoide. Por isso, uma alimentação saudável provavelmente ajude a evitar obesidade e câncer. Também sabemos que alguns produtos químicos são tóxicos e, por isso devem-se evitar alimentos industrializados assim como medicamentos desnecessários

3) Que nutrientes são importantes na alimentação de pacientes com hipotireoidismo?
Entre os nutrientes, o selênio pode ser o mais importante porque é antioxidante e é essencial para a conversão do hormônio da tireoide T4, que o corpo produz, em sua forma ativa, T3. A castanha do Pará é uma rica fonte do nutriente, que pode também ser encontrado em algumas carnes magras.
A ingestão de fibras também é muito importante para o controle do peso e alívio de um dos sintomas do hipotireoidismo, a constipação. Alimentos como alimentos, como feijão, arroz e outros grãos, trigo e aveia são ricos em fibras. O consumo da aveia também contribui para o controle do colesterol. Segundo a endocrinologista, existe uma relação direta entre TSH e colesterol. Mesmo na faixa de normalidade do TSH*, esta relação se mantém. Isto é, quanto maior o nível de TSH mais elevado é o colesterol também. Isso ocorre porque os hormônios tireoidianos são essenciais no metabolismo das gorduras e do colesterol

4) Como o metabolismo pode ser acelerado?
O ideal para a dieta de pacientes com baixa função da tireoide é incluir pequenas refeições espalhadas ao longo do dia. Comer cinco ou seis porções (Café da manhã, lanche, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia) ajudará a equilibrar o metabolismo lento, que faz parte do hipotireoidismo. O importante é que as refeições tenham em torno de 300 calorias cada, e para perda de peso, é importante combiná-las com a prática de exercícios físicos.
Conselhos gerais também valem para pacientes com hipotireoidismo, como beber bastante água, comer mais frutas e verduras e menos massas, pão e amidos, e não deve deixar passar mais de cinco horas entre as refeições.

5) Que cuidados devem ser tomados na alimentação?
O consumo excessivo de alguns vegetais que contém cianetos (mandioca) ou substâncias que interferem na absorção de iodo também pode ser nocivo. A ingestão de brócolis, repolho, couve-flor, mostarda, amendoim, rabanete e couve de Bruxelas deve ser comedida. Só o consumo excessivo e constante, ou seja, comer todo dia uma boa quantidade, é que tem efeito bocígeno

Quanto ao consumo da soja, que já foi apontada como vilã do hipotireoidismo, a médica esclarece que isoflavonas podem interferir na absorção do iodo, mas usar leite ou óleo de soja não vai causar dano à saúde.
*TSH é o hormônio estimulador da função tireoidiana, que é controlado pela hipófise (também conhecida como glândula pituitária e que está localizada na base do cérebro).

6) Qual o objetivo da campanha "Mulher Sem Falta"
A Campanha Mulher Sem Falta foi criada pela Sanofi-Aventis com o objetivo de alertar sobre os sintomas do hipotireoidismo e ressaltar a importância do diagnóstico precoce. O foco da campanha são as mulheres acima dos 30 anos, faixa da população em que a prevalência do hipotireoidismo é maior. No site especialmente criado para a campanha - www.mulhersemfalta.com.br - a população terá acesso a mais informações sobre hipotireoidismo, fatores de risco, causas, alerta sobre exames e autoexame e poderá, ainda, tirar dúvidas com especialistas no assunto.

Autor
Médica, Professora da Universidade Federal do Paraná e Presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia - Paraná (SBEM –PR).



2 comentários:

Flávio disse...

Uma vez que esse blog é adepto à medicina natural (fitoterápica) e por ser eu um portador de câncer de tireóide, do tipo folicular, li com atenção ao artigo na expectativa de que ele trouxesse estudos ou alguma análise da aplicação da fitoterapia aos casos desse tipo de carcinoma. Todavia, frustrei-me pelo fato de o artigo não trazer qualquer novidade (ou mesmo notícias antigas) sobre a aplicação em comento.
Atenciosamente,
Flávio
flaviojscavalcanti@gmail.com

Luciano Baldissera disse...

Exatamente o que senti Flávio, muito correta sua afirmação.